Qualidade de Vida e Vulnerabilidade ao Stress nos alunos do 6º Ano do MIM da FCS da UBI

Autores

  • Miguel Gonçalves Felizardo Faculdade de Ciências da Saúde (UBI)
  • Luíz Miguel Santiago Faculdade de Ciências da Saúde (UBI)

DOI:

https://doi.org/10.35323/revadso.79201981

Resumo

Introdução: Qualidade de vida e vulnerabilidade ao stress psicológico de finalistas de Medicina necessitam ser estudadas, para atuação nos determinantes de piores qualidade de vida e maior vulnerabilidade ao stress. Materiais e métodos: Estudo observacional em Dezembro de 2015 na Faculdade de Ciências da Saúde da Covilhã, por instrumento contendo EQ-5D, 23-QVS e inventário epidemiológico. Resultados: População de 126 e amostra de 108 (85,7%) estudantes, idade média 24,2 ± 2,3 (22 a 37) anos, 69,4% do sexo feminino. Médias: EQ-5D de 1,12±0,18 e 23-QVS de 32,53±12,11. Boa qualidade de vida em 57,4% e vulnerabilidade ao stress em 20,4%. Pior estado de saúde associado a maior vulnerabilidade ao stress na “Inibição e dependência funcional” (r = 0.529; p <0.001) e no 23-QVS total (r = 0.521; p <0.001). Dificuldades financeiras determinam maior vulnerabilidade ao stress (p <0.001) e pior estado de saúde, EQ-5D (p = 0.011). Maior preocupação com o futuro gera significativa vulnerabilidade ao stress (p <0.001) e pior estado de saúde com EQ-5D (p <0.001). Coeficientes de correlação entre dimensões 23-QVS com EQ-5D e EQ-VAS são todos significativos (p <0,05). Discussão: Maioria dos resultados concordantes com estudos anteriores, mas investigação futura é necessária. Conclusão: Piores estados de saúde associam-se a maior vulnerabilidade ao stress. “Preocupação com o futuro” e “dificuldades financeiras” condicionam maior vulnerabilidade ao stress psicológico e piores estados de saúde.

Palavras-Chave: Qualidade de vida, estados de saúde, vulnerabilidade ao stress.

Biografia Autor

Luíz Miguel Santiago, Faculdade de Ciências da Saúde (UBI)

Luiz Miguel Santiago

Especialista em MGF, USF Topázio

MD, PhD

Professor Associado Convidado da UBI

Referências

Ventegodt S, Andersen NJ, Merrick J. Quality of Life Philosophy I. Quality of Life, Happiness, and Meaning in Life. TheScientificWorldJOURNAL (2003) 3, 1164–1175. DOI 10.1100/tsw.2003.102.

Almeida MA, Gutierrez GL, Marques R. Qualidade de vida: definição, conceitos e interfaces com outras áreas de pesquisa. São Paulo: Edições EACH; 2012

Bampi LNS, Baraldi S, Guilhem D, Araújo MP, Campos ACO. The Quality of life of Medical Students at the University of Brasilia, Brazil. Revista Brasileira de Educação Médica. 2013; 37 (2): 217-225;

Ferreira PL, Ferreira LN, Pereira LN. Contributos para a Validação da Versão Portuguesa do EQ-5D. Acta Med Port 2013;26(6):664-676;

Cheung, K., Oemar, M., Oppe M., Rabin, R. User Guide: Basic information on how to use EQ-5D. EuroQol Group 2009:1-24;

Ferreira, L.N., Ferreira, P.L., Pereira, L.N., Oppe, M.. The valuation of the EQ-5D in Portugal. Springer Science+Business Media Dordrechet 2013;

Ferreira, L.N., Ferreira, P.L., Pereira, L.N., Oppe, M.. EQ-5D Portuguese population norms. DOI 10.1007/s11136-013-0488-4 (acedido a 2 de Dezembro de 2015);

Nunes CM, Santiago LM, Saraiva CB. EQ-5D EM estudantes universitários de medicina - Estudo Observacional. Revista ADSO 2013 Junho 23:29

Sidhu J. Effect of Stress on Medical Students. IeJSME. 2007: 1 (1): 52-53;

FRASQUILHO MA. MEDICINA, MÉDICOS E PESSOAS - Compreender o stresse para prevenir o burnout. Acta Med Port. 2005; 18: 433-444;

Serra AV. Construção de uma escala para avaliar a vulnerabilidade ao stress: a 23 QVS. Psiquiatria Clínica 2000; 21(4):279-208;

Henning M, Krägeloh C, Hawken S, Zhao Y, Doherty I. Quality of life and motivation to learn: A study of medical students. Issues in Educational Research. 2010 20(3);

Latas M, Stojkovic T, Ralic T, Jovanovic T, Spiric Z, Milovanovic S. Medical students` health-related quality of life – A comparative study. Vojnosanit Pregl. 2014; 71(8): 751–756. DOI: 10.2298/VSP1408751L;

Loureiro E, Mcintyre T, Mota-Cardoso R, Ferreira MA. A relação entre o Stress e os Estilos de Vida Nos Estudantes de Medicina da Faculdade de Medicina do Porto. Acta Med Port. 2008; 21: 209-214;

Downloads

Publicado

2019-02-26

Edição

Secção

Investigação